TIM VIEIRA FLIX,  Volta ao Mundo

Tim Vieira World Trip #39 | Christchurch, a mais inglesa das cidades neozelandesas

Christchurch, com um pouco mais de 400 mil habitantes, é a maior cidade da Ilha Sul da Nova Zelândia e a 3.ª maior do país (a seguir a Auckland e a Wellington, a capital, que situam na Ilha Norte).

Christchurch tornou-se uma cidade pela Carta Régia em 31 de Julho de 1856, tornando-a oficialmente a cidade mais antiga da Nova Zelândia.

Por ser a mais antiga cidade da Nova Zelândia, poderá apreciar arquitectura neogótica em pleno centro da cidade, o que faz com que Christchurch seja considerada a mais inglesa das cidades neozelandesas.

 

Fonte: christchurchnz

No dia 22 de Fevereiro de 2011 um sismo de 6,3 na Escala Richter atingiu a cidade, provocando 185 mortos.

No dia 13 de Novembro de 2016 um novo terramoto de 7,8 na Escala Richter, atingiu, mais uma vez, a cidade, mas apesar de intensidade superior, o epicentro situou-se a 91km da cidade, pelo que, à semelhança do sismo de 4 de Setembro de 2010 (7,1 na escala de Richter), os efeitos destrutivos na cidade foram bem inferiores.

 

Fonte: nzgeo

Christchurch sempre esteve na rota de turismo da Nova Zelândia devido à sua vibrante áurea artística e às suas encantadoras ruas e por ser também um centro para as viagens de exploração a Antárctida.

Hoje é também procurada pela transformação vivida após o terramoto de 2011, que destruiu a cidade, sendo possível caminhar por entre ruínas e ver a cidade a renovar-se criativamente.

Segue uma lista de 13 locais imperdíveis de Christchurch.

 

#1 A Catedral e a Catedral de Papelão

O centro da cidade foi, provavelmente, uma das áreas mais afectadas pelo sismo.

Uma das construções mais abaladas pelo sismo foi a Catedral anglicana, um dos principais cartões-postais da cidade.

Fica localizada na linda Cathedral Square. Com os abalos sísmicos de 2011, parte da torre foi afectada e tem estado em reconstrução desde então. Ainda assim, o local de estilo gótico continua a ser admirado.

 

Fonte: nzherald

E depois do sismo, que tal uma catedral mais modesta feita, por exemplo, de papelão? Parece coisa de desenhos animados, mas é realidade. O governo resolveu investir numa catedral temporária enquanto a reconstrução da antiga não acaba.

Assim, com vida útil prevista em 50 anos, a nova construção foi projectada por um arquitecto japonês e levantada em poucos meses. Hoje, o edifício de papelão (mesmo!) está aberto ao público e atrai cada vez mais curiosos e turistas.

 

Fonte: wikipédia

 

#2 Catedral Católica – Cathedral of the Blessed Sacrament

A Catedral do Santíssimo Sacramento (Cathedral of the Blessed Sacrament) foi desenhada pelo arquitecto neozelandês Francis Petre e é um dos mais belos edifícios em estilo renascentista na Nova Zelândia.

 

Fonte: nzcatholic

A catedral, construída de cimento e de calcário é frequentemente reconhecida como o mais belo edifício em estilo renascentista de toda a Australásia

Todavia, sofreu muitos danos com o sismo de 2011.

 

#3 O centro comercial Re:Start

Como muitas lojas foram destruídas e muitos prédios foram evacuados, a solução que a cidade encontrou para que o comércio não morresse foi a criação de lojas dentro de contentores.

 

Fonte: Geographic Media

Ficou bastante criativo e divertido, com as suas lojas coloridas.

 

#4 Hagley Park e Botanic Gardens

Em Christchurch não faltam árvores, relvados, jardins, flores.

A cidade é conhecida como “Cidade Jardim”. São mais de 700 parques cercados por ruas floridas, ciclovias e passeios ao estilo europeu.

A população local gosta tanto de jardins que, ao longo do ano, são organizadas competições entre os bairros para eleger o melhor paisagismo.

 

Fonte: Jonah Lomu

E para quem adora zonas verde, o Hagley Park é o destino certo.

O maior parque da região (comparado por muitos ao Central Parque, de Nova Iorque) é muito convidativo para quem quer relaxar ou praticar exercício físico ao ar livre.

Ao seu lado está o Botanical Gardens, repleto de cores e flores! Como ponto de descanso, as margens do rio Avon também são disputadas, já que estão dotadas de relvados muito bem cuidados.

 

#5 Elétrico

Christchurch era conhecida por ter o seu eléctrico antigo a circular pelo centro da cidade.

 

Fonte: newzealand.com

Depois do sismo, foi desactivado durante algum tempo para reparação dos carris e das ruas por onde passava, mas, em 2018, voltou ao ativo.

 

#6 Street Art

Após o terramoto, muitos prédios foram demolidos e vários outros continuaram de pé, com suas paredes sem vizinhos.

 

Fonte: stuff.co.nz

Grande parte das empenas destes prédios serviu de inspiração para que artistas pintassem enormes painéis e tornassem a cidade mais colorida e vibrante.

 

#7 185 Empty Chairs

É um memorial em homenagem às 185 vítimas da catástrofe de 2011.

Encontra-se próximo da Catedral de papelão, onde 185 cadeiras brancas de diferentes formatos estão dispostas como uma lembrança dos que pereceram durante o desastre natural, que mudou a cidade para sempre.

 

Fonte: Trupadvisor

Cadeiras de escritório, de balanço, e até de bebés, mostrando os diferentes perfis de quem sucumbiu naquele dia.

 

#8 Victoria Square

É uma praça bastante antiga de Christchurch, que recebeu esse nome em homenagem à rainha Victoria, que tem uma estátua na praça, de resto, tal como o Capitão Cook, explorador da Nova Zelândia.

 

Fonte: stuff.co.nz

É um lugar muito bonito, cheio de árvores, cortado pelo rio Avon, o mais famoso da cidade.

 

#9 Regent Street

Conhecida como a rua mais bonita da Nova Zelândia, a Regent Street é o único conjunto de edificações históricas intacto de Christchurch.

 

Fonte: youngadventuress

Os seus prédios são todos iguais e com cores em pastel.

 

#10 Canterbury Museum

Encontra-se na entrada do Botanic Gardens, dentro de um bonito prédio em estilo neo-gótico escocês, onde uma colecção sobre a história da Nova Zelândia, desde o povo maori até aos nossos dias pode ser vista permanentemente.

 

Fonte: wikipedia

Além disso, uma exposição sobre o sismo de 2011 e sobre o reaproveitamento de materiais dos escombros da cidade pode ser vista sob os olhares de vários artistas.

 

#11 Punting no Rio Avon

O famoso punting de Christchurch é uma gôndola como a de Veneza, com a diferença na ferramenta que o barqueiro usa para impulsionar o trajeto.

 

Fonte: christchurchattractions.nz

Durante o passeio é possível passear pelas águas rasas do Rio Avon enquanto ouve o barqueiro narrar a história dos prédios e árvores às margens do rio.

 

#12 Port Hills

Em Port Hills, a colina mais alta da cidade, há teleféricos que levam os turistas até o topo.

 

Fonte: wikipedia

Tem uma vista de 360º sobre toda a cidade de Christchurch, podendo, ainda, observar outras cidades como Lyttleton e a Banks Peninsula.

 

#13 Addington/Riccarton/Sydenham/Cashmere

Esses quatro bairros são bem populares pelos seus restaurantes badalados e a sua área descolada.

 

Depois que o centro sofreu tanto depois de 2011, a Colombo Street, uma das ruas mais antigas da cidade, foi modernizada e hoje agrega várias lojas, restaurantes e cafés.

 

Sou só eu que estou muito apaixonada por Christchurch?

A Nova Zelândia é realmente um País que nos tira o ar!

Fiquem desse lado que os posts sobre este País encantador vão continuar!

 

 

Créditos da fotografia de destaque: Azamara

 

Não se esqueçam de ficar desse lado a acompanhar a Volta o Mundo do Tim Vieira com a família!

 

Até já, ou melhor… até ao próximo episódio!

 

O ponto de encontro é aqui:

Blog Até Já!

Facebook

Instagram

 

E quem quiser subscrever a Newsletter do Até Já, receberá notícias no e-mail sobre esta viagem!

Explico em baixo como se faz a subscrição gratuita.

 

Para assistir à Tim Vieira Flix – Volta ao Mundo clique aqui!

 

Nota Importante:

Se alguma Agência de Viagem, Operador Turístico, empresa ligado ao sector das viagens e do turismo ou qualquer meio de difusão quiser usar este ou outro conteúdo meu, agradeço que me peçam autorização e que usem os devidos créditos.

 

 

Se quiser receber a Newsletter do Até já,  basta inscrever-se na barra lateral lado direito.

Fico feliz por estarmos mais perto!

 

 

 

Já me seguem nas redes sociais?

Facebook | Instagram

One Comment

  • António Luzio

    Parabéns Tim , belas imagens e um relato muito acertivo e real da viagens aos nossos antípodas.
    A paixão pelo rugby está sempre nas viagens .
    Continuação de boa viagens .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *